2 de agosto de 2011

"O CD é um pouco do meu relacionamento com Deus expressado através das canções"


Apesar do nome pomposo, Karol Stahr é brasileira de corpo, alma, coração e gosto musical. A cantora, nascida no Espírito Santo, chega em 2011 com a promessa de ser uma das novas revelações do cenário gospel no Brasil com seu primeiro CD Muito mais. Três grandes atrativos do álbum é ter sido gravado em Los Angeles sem perder a brasilidade com direito a samba-funk, a técnica de grandes arranjadores e músicos somada à unção e a participação de artistas de renome como Abraham Laboriel. Em entrevista exclusiva ao Gospel no Divã, Karol fala sobre seu envolvimento com a música iniciado ainda na infância dentro da igreja, sua passagem pelo Grupo Vocale, o processo de produção do disco, o relacionamento com o esposo (o produtor Thiago Aguiar) e revela seus gostos musicais. Como além de cantora, Karol Stahr também é personal stylist (foi ela a responsável pelo figurino do presidente Lula e de Dilma Rousseff quando era ministra), ela aproveita para dar dicas para que os levitas possam adorar a Deus com a voz e com o figurino: “A partir do momento que você se veste de acordo com seu jeito de ser você passa a ter estilo”.

1. Seu início com a música foi nos bancos da igreja. Qual a importância que essa comunhão e envolvimento com a obra de Deus já na infância têm em sua carreira?
Como sempre fui participante de uma igreja (nasci em um lar cristão), fui criada aprendendo sobre este Deus maravilhoso e que devia dar o melhor a Ele. Lá em casa todos tinham que estudar dois instrumentos e escolhi o piano e o violino. Toquei nos conjuntos instrumentais da minha igreja durante oito anos e sempre estive envolvida em corais desde criança e tinha uma dupla com minha amiga Alice e cantávamos com play-back. Cheguei a cantar um dueto no coral infantil fazendo segunda voz e foi uma experiência onde superei meus próprios limites. Sempre busquei excelência em tudo o que fiz e isso influenciou muito minha carreira, tanto profissional como na música e quero sempre me superar, dar o meu melhor para Aquele que me deu tudo que tenho hoje: vida, paz, talentos e dons.
2. Como foi seu período no Grupo Vocale (fale mais sobre o grupo para nós)? Como era a convivência entre os integrantes e quando resolveu que era a hora de alçar voo sozinha?
Grupo Vocale: Naara Knupp, Karol Stahr, Fabrícia Erler e Hellem Pimentel
O grupo Vocale tem papel fundamental em minha vida. A convivência com as outras integrantes e a líder e compositora Karine Lessa foi muito especial. Foi neste grupo que tive minha primeira experiência em estúdio profissional, pude entender a preciosidade que é cantar em vozes e como o resultado de comunhão e equilíbrio vocal traz um resultado impressionante. Saber as diferentes colocações de voz para conjunto vocal, backing vocal e solo é fundamental para cantar em grupo. Um grupo é um corpo (como descreve bem a Bíblia) e isso é uma verdade quando se trata de ministérios. Todos devem completar um ao outro, ser apoio, ser estímulo, ser amigo, ser compreensivo e, acima de tudo, aceitar as diferenças. Este foi meu maior aprendizado nesta fase: reconhecer e admirar as diferenças uns dos outros.
O grupo lançou o primeiro álbum em 2008, mas eu já estava em Brasília desde 2006. Foi difícil continuar, pois outra integrante foi para o Rio e apenas duas ficaram em Vitória (ES). Das quatro, talvez eu fosse a que menos pretendia alçar voos mais altos. Mas, como diz a música do Diante do Trono, ‘quando Deus escolhe alguém Ele mesmo faz tudo o que determinou em Seu coração’. Foi Ele quem me escolheu para este ministério, não o contrário. Ele me capacitou a cada dia me presenteando com músicas, me dando prazer em cantar e declarar Seu amor. Mas eu fiz minha parte através da Bíblia, oração e aulas de canto e não podemos nos acomodar e achar que Deus fará a obra e nós vamos apenas nos deleitar. Precisamos nos engajar! Sermos fiéis no pouco, que sobre o muito Ele nos colocará! E foi exatamente assim que aconteceu: Ele foi me capacitando, me mostrando os caminhos, me levando a lugares onde jamais imaginei estar, com pessoas que nunca pensei que pudessem participar deste projeto. Coube a mim me aprimorar, investir em mim, no projeto e, principalmente, em Deus.
3. Apesar de ter o chamado, você optou por se aperfeiçoar e dedicou sua vida a aprimorar sua voz. Os ministros de louvor de nossas igrejas sabem como equilibrar essa junção de técnica e unção?
A realidade hoje, infelizmente, é que muitos não se preparam tecnicamente, apenas espiritualmente, ou o contrário. A verdade é que a forma como algumas pessoas encaram o ministério que vive (seja canto, dança, instrumental, teatro, etc.) é de que Deus vai capacitá-las. Para passar num concurso todos se preparam, para os afazeres de trabalho também, mas, na hora de entregar para Deus, muitas vezes o ‘dar o melhor’ é negligenciado ou encarado da forma como convém. Assim como na parábola dos talentos devemos multiplicar nossos dons, aprimorar, dar frutos (não só espirituais, mas poder contribuir na igreja local ensinando, ensaiando, aprimorando outras pessoas). Vejo que poucos são os que encaram o ministério com tamanha seriedade e dedicação técnica e espiritual. Mas quando encontramos aqueles que unem o espiritual com a técnica, nossa vida interior expressa, da melhor forma possível através de gestos, vozes, palavras, danças, etc.
4. Quais são suas principais influências musicais tanto no cenário gospel quanto no secular?
No cenário gospel são Israel Houghton, Sérgio Saas, João Alexandre, Vencedores por Cristo, Leonardo Gonçalves, Danny Grace, Laura Moreno. Já no secular são Jamiroquai, Stevie Wonder, Aretha Franklin, Michael Buble, Leah Smith, Corinne Bailey Rae, Jim Scott, Jamie Lidell, Jamie Cullum, John Legend, Ed Motta, Antonio Carlos Jobim, Djavan, Pedro Mariano, Maria Rita.
5. Como foi a produção de seu primeiro CD solo Muito mais? Por que optou por produzi-lo no exterior?
Começamos, eu e meu marido Thiago, a compor em 2009. Passamos o de 2010 recebendo inspirações de Deus e compondo canções e, no final do ano passado, sentimos o desejo de colocar estas canções em forma de CD. Os pré-arranjos foram feitos pelo Thiago bem como as gravações demo. Começamos a conhecer pessoas e Deus nos levou a conhecer o Nelson Rios – produtor do trabalho. Ele nos incentivou a gravarmos em Los Angeles (onde ele atua), pois lá teríamos músicos que já trabalham com ele e que trariam uma cara muito fresca ao trabalho, tais como Abraham Laboriel, Justo Alamrio, Rique Pantoja, Otmaro Ruiz, Grecco Buratto, etc. Todos estes músicos, bem como o produtor Nelson Rios fizeram e aconteceram (risos). Foi muito gratificante conhecer estas pessoas, conviver com todos eles e reconhecer tanta humildade e prazer em adorar a Deus (união de unção com técnica). Indescritível! Outro motivo que nos levou a realizar este projeto em Los Angeles foi para manter, ao máximo, esta cara POP que este trabalho tem. Ele é uma mistura de pop, R&B e jazz e, conhecendo tais estilos musicais, sabíamos que o som seria fiel ao estilo. Fomos à raiz do pop para conseguirmos um som fiel. Tudo foi se encaixando e Deus nos deu esta oportunidade incrível. Sou muito grata a Deus por tudo que vivi e tenho vivido.
6. Como foi contar com participações de artistas reconhecidos como Abraham Laboriel, um dos ícones do gospel internacional?
Como falei, os músicos me impressionaram muito através do compromisso, humildade e vida cristã, em especial Abraham Laboriel. Ele é um homem de Deus. Vejo que todo o sucesso que ele tem em sua carreira é porque ele vive Cristo. Assim que ele começou a falar me senti muito tocada (ele arranha, e muito bem, o português), pois em suas palavras saíam vida e muita unção. Ele curtiu muito as quatro faixas que participou, quis saber das letras e declarava frases das músicas em adoração a Deus. Uma das faixas que ele tocou – Falsa Comunhão – é um samba-funk arranjado por Rique Pantoja (arranjador brasileiro parceiro de Chico Buarque e Gilberto Gil). Laboriel curtiu muito a gravação, dançou (como de costume) e foi um momento-presente de Deus em minha vida. O que me marcou: simplicidade e amor de Deus transmitido através da vida dele e de sua música.
7. Quais foram as maiores dificuldades durante o processo de produção e quanto tempo levou para o disco ficar pronto?
Conto um ano desde a pré-produção até o disco em mãos, porém, tivemos apenas um mês de gravação em Los Angeles porque fiquei gripada durante minha estada na cidade. Isso me deixou preocupada, pois ficamos pouco tempo para gravar 13 faixas (12 do CD e uma bônus disponível para download), mas Deus é perfeito e, por milagre, não tive impedimento vocal para gravar. Este foi um momento difícil, mas quando paro para pensar em tudo o que Deus fez não consigo ver dificuldades ou coisas que possam ter me abalado. Pois, como falei, estou vivendo este plano de Deus e tem sido tão maravilhoso que não posso parar para reconhecer pesos e problemas, a não ser glorificar e agradecer a este Deus bondoso e misericordioso (isso é um aprendizado).
8. Seu esposo, Thiago Aguiar, foi um dos responsáveis pela gravação do CD. Trabalhar em família torna a produção mais fácil ou mais desafiadora?
Thiago é o maior presente de Deus em minha vida. Um homem muito maduro, com sensibilidade musical e muito tranquilo. Ele abençoa minha vida a cada dia e viver este projeto junto dele é maravilhoso. Nós nos entendemos muito bem, aprendemos a falar e a ouvir um ao outro e este CD só trouxe maturidade em nosso relacionamento, pois tivemos que aprender a fazermos juntos esta obra e isso é fantástico. Ele é quem me ajuda a colocar os pés no chão, a analisar com mais cautela as oportunidades. Esse equilíbrio entre nós nos completa em tudo.
9. Você optou por disponibilizar uma das faixas para download antes mesmo do CD ser lançado. Acredita que o digital será o futuro da indústria da música?
Com toda certeza. O mundo digital é prático e as pessoas querem carregar em seus dispositivos eletrônicos suas músicas para ouvir em qualquer lugar. Para o cantor isso causa certa dor, pois prezamos pela ordem das músicas, de forma que tenham coerência e uma sequência agradável, bem como todo layout do CD (antes vinil – mais lindo ainda), onde registramos o estilo pessoal do cantor e, de forma visual, o que o trabalho quer expressar. Para mim nada substitui ter o CD dos cantores que admiro. Olhando por outro lado, se for para alcançar mais pessoas através da facilidade de levar a mensagem musical a tantos lugares, a venda de música avulsa traz essa vantagem e cumpre este propósito.
10. O que o público pode esperar do álbum Muito mais?
Música de qualidade com músicos extraordinários, mensagens diretas a Deus em reconhecimento de Seu cuidado e amor, expressões de dependência do Senhor, estilo musical diferenciado para o meio gospel, ousadia e um trabalho feito para glorificar o nome de Deus e alcançar vidas. A mensagem principal deste CD é: ‘Entrega teu caminho ao Senhor, confia nEle e o MAIS Ele fará (Salmo 37.5)’. Não poderia ser nada além do que tenho vivido com Deus. O CD é um pouco do meu relacionamento com Deus expressado através das canções. Isso reúne parte de mim, do meu estilo, da forma como Ele me vê. Espero que estas mensagens sejam bênçãos na vida das pessoas e que muitos se identifiquem com estas letras, com esta forma de viver Cristo.
11. Além de cantora, você é personal stylist. Como administra as duas carreiras?
A profissão de personal stylist também é arte – ajudar uma pessoa a se vestir, a se conhecer e saber como se expressar através das roupas. Administrar as duas carreiras até agora está tranquilo, pois são partes da minha vida que amo.
12. Como começou seu gosto por moda? Quais cursos fez e quais desafios vivenciou?
Ah... Desde criança! Minha família brinca comigo até hoje porque eu acordava cedinho, aos cinco anos, para arrumar meu armário e escolher o look do dia. Eu sempre gostei de roupas, moda, de me vestir bem, de estar de acordo com quem sou. Meu maior inimigo era o uniforme da escola. Nada poderia tirar mais a minha paz que me padronizar (risos). Acabei seguindo a área após muitas dúvidas. Fiz curso superior em Gestão e Criação dos Negócios da Moda no Centro Universitário Vila Velha (ES), me aperfeiçoei em Personal Stylist com Titta Aguiar (profissional da área de moda há mais de 25 anos) e em Coloração Pessoal na Estillo Consultoria (empresa com sede em Belo Horizonte). Já vivenciei momentos muito bons na carreira, tais como assessorar o Presidente Lula, a Presidenta Dilma (na época Ministra), vários Ministros do PT para propagandas do governo. Fui personal stylist da Rede Record Centro-Oeste, onde tive contatos maravilhosos e muitos desafios e hoje atendo muitos clientes com o intuito de ajudá-los a se encontrar. Quando uma pessoa se veste de acordo com quem é, ela fica iluminada, radiante. Nada mais prazeroso no vestir que a roupa falar verdades sobre quem a usa. Sobre este assunto ministro muitas palestras em vários órgãos, como Caixa Econômica, Ministério Público, dentre outros. Atuei por muito tempo como fashion designer para várias empresas e atualmente desenho apenas para uma empresa no Estado do Espírito Santo.
13. Falando nisso, o que o mercado tem exigido de profissionais nessa área?
As empresas buscam pessoas atualizadas, com bom gosto, bom senso e talento. Os clientes buscam um bom atendimento, segurança, confiança e praticidade.
14. Aproveitando a deixa, quais dicas você deixa para mulheres e também para os homens para compor um visual bonito digno para habitação do Espírito Santo?
A principal dica que posso dar é: respeite quem você é. A partir do momento que você se veste de acordo com seu jeito de ser você passa a ter estilo. Uma pessoa sem estilo não é mal vestida, apenas não se veste de acordo com quem ela é. Estar atento para o que lhe veste bem, estar de acordo com quem você é, o que valoriza seus pontos fortes e disfarça os pontos fracos é essencial para um vestir adequado. Outra dica importante: invista em peças base de qualidade. Peças básicas como jeans, camisaria, calça alfaiataria, etc. (peças que sempre estarão em seu guarda-roupa) devem ser de boa qualidade, pois estarão por muito tempo em seu guarda-roupa e serão utilizadas nas mais variadas formas. Tendo sempre estas peças em bom estado, a atualização do guarda-roupa fica fácil e prática, pois você precisará investir em alguns itens para compor um visual atualizado e na moda. Para terminar, deixo a dica de limpar o guarda-roupa uma ou duas vezes ao ano. Retire o que não usa há mais de um ano e substitua as peças base que estão velhas por peças novas (ex: calça social preta velha por calça social preta nova). Lembre que as modelagens mudam, os tons das cores, etc. Ficar guardando peças com a esperança de que um dia voltará a estar na moda ou vai caber novamente é uma ilusão. Se desfazer de coisas velhas traz um renovo!
Não poderia terminar sem deixar uma dica para ministros de louvor e adoradores que estão à vista – que ficam à frente da igreja:
Calças em corte tradicional são bem vindas para homens e mulheres. Blusas mais compridas são ideais para mulheres, pois são comportadas e alongam a silhueta. Camisas sociais com manga curta ou longa para homens deixam o visual bem arrumado. Blusas muito coladas, bem como roupas em geral não são legais para esta ocasião.
Cores mais sóbrias são indicadas, como preto, bege, marrom, vermelho fechado, vinho, marinho, azul claro, verde escuro, etc. As cores muito intensas podem cansar a visão da congregação.
Vista o que você tem de melhor para adorar a Deus! Ele merece excelência no vestir também!

4 comentários:

  1. Maravilhosa!! Que Deus continue te abrindo as portas e te ungindo cada dia mais. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Conheci o ministério da Karol a partir dessa entrevista e as músicas são realmente muito edificantes e com uma proposta musical muito diferenciada.

    ResponderExcluir
  3. Vale a pena ouvir o cd.

    ResponderExcluir

Comente, critique, elogie!
Sua opinião é importante para nós
Shalom Adonai



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...