15 de junho de 2010

Luz, câmera, adorAÇÃO

Por Rogério de Oliveira

Algum poeta, não me lembro qual, disse certa vez que uma imagem vale mais que mil palavras. Isso é verdade e é sobre este assunto que iremos falar hoje. Pelo menos, será nosso assunto principal. Na última postagem vimos a importância do Diante do Trono como um divisor de águas na música gospel aqui no Brasil. Vimos também a inserção dos neo-pentecostais na mídia e o poder de venda dos CDs gospel no início da década de 2000. Estes três fenômenos ocorreram no começo desta década, contudo, desencadeando outros fenômenos importantes que favoreceram a notoriedade da música cristã. Como já dizemos, a revolução foi tanta que o termo “gospel” deixou de ser simplesmente um gênero musical e passou a ser um estilo de vida. Um estilo que dá lucro! Não sejamos tão ortodoxos ao ouvirmos a palavra lucro e gospel na mesma frase. Afinal, o crescimento e o acesso facilitado a esta cultura cristã que temos hoje é graças aos investimentos nesta área. E, obviamente, falo de investimentos financeiros.

Voltando a temática do “uma imagem vale mais que mil palavras”, hoje dissertaremos sobre uma invenção ultra hiper mega power importante para a música como um todo e adotada sem nenhum preconceito pelos ministérios de música aqui do Brasil: o videoclipe. Pressuponho que você saiba o que é um videoclipe. Mas, ainda que algo tão difícil aconteça, ou seja, caso você não saiba, não precise sair aqui da coluna pop do Gospel no Divã: Videoclipe é um pequeno filme (muita das vezes ele é bem pequeno mesmo) que possui em média quatro minutos e geralmente são produzidos por artistas a fim de promover uma música. Há também os clipes de caráter publicitário que procuram promover produtos ou serviços. Falaremos aqui da primeira categoria. Os clipes surgiram nos EUA, quase juntos com o canal de TV mais pop do mundo, a MTV (Music Television). Uma grande mudança nos padrões estéticos dos clipes aconteceu no auge da carreira de um grande artista pop. Se você pensou em Michael Jackson acertou, é dele mesmo que estamos falando. Michael trouxe uma narratividade aos clipes e, a partir dele, uma história era contada enquanto a música era embalada em cima.

O clipe na música secular é uma das grandes ferramentas usadas para alimentar a indústria cultural que nos envolveu ainda na década de 90. Como é um recurso super eficaz, a indústria cultural do gospel também embarcou neste artifício. No Brasil, o videoclipe chegou na música gospel ainda nos anos 90 e mais uma vez a MK Music saiu na frente. Os artistas de seu cast usavam com frequência este recurso e eles são os responsáveis por mostrar que podemos adorar a Deus num ritmo mais frenético.


Aqui temos um bom exemplo dos primeiros clipes usados por nossos artistas cristãos. Como exemplo, apresento É tão simples ser feliz de Marina de Oliveira com participação de Kleber Lucas. A produção, como podemos ver, é simples e a composição lembra uma pequena apresentação. Não há nada de dramatúrgico ainda. A performance dos cantores é o que há de principal neste clipe. Antes, no Brasil, existia uma resistência muito grande na maneira de adorar a Deus e tudo o que era trazido de novo era simplesmente rejeitado pelos mais conservadores. Por este motivos, as mudanças tiveram que ocorrer de maneira mais branda. Com o tempo, sem exagero, depois de muito tempo, as expressões de arte foram entendidas como dádivas de Deus e posteriormente usadas pelo mal. Não podemos dizer que a capacidade de compor uma música é algo maligno, pois não é. Agora, se uma banda de rock compõe músicas consagradas ao mal, isso é outra história. É triste como os cristãos se privam de sua liberdade na hora de adorar por causa do mal uso daqueles que deturpam as coisas de Deus, mas enfim...


Uma outra grande precursora da popularização de nossa música é Aline Barros e ela não poderia ficar de fora desta maneira audiovisual de adorar. O clipe em questão é Sonda-me, usa-me. Mais ousado do que o material apresentado anteriormente. Aqui Aline aparece num cenário de externa, algo ainda mais inovador dentro da linguagem do videoclipe. Mais do que a performance da cantora, o que está em questão aqui são as paisagens mostradas. A grandiosidade de Deus é dita pela letra da música que Aline está cantando e exemplificada pela bela imagem de uma praia ao fundo. A letra da canção versa sobre a grandiosidade de Deus e o que esta grandiosidade é capaz de fazer conosco. Nada mais apropriado do que usar a grandiosidade do mar para (tentar) personificar a descrição de Deus. Friso tentar pelo fato de Deus ser mais complexo que um clipe é capaz de mostrar.

Com uma produção mais arrojada e um jogo de câmera trazendo uma linguagem mais cinematográfica, a banda Oficina G3 nos presenteou com o clipe O tempo, grande single da banda, muito bem mostrado neste registro audiovisual inovador. Como uma boa banda de rock que são, os moços do Oficina fazem do carro estiloso dos anos 50 o veículo de trajetória durante toda a narrativa do vídeo. E nada melhor do que passar toda a produção em movimento quando se quer falar de tempo. Afinal, ele não para. O passeio deles no carro é constantemente e brevemente interrompido por flashes da banda em uma metrópole. O destaque nestes flashes fica por conta da iluminação que lembra o estilo gótico de Tim Burton em seus filmes já famosos por esta estética. Falar em passagem de tempo é sempre um convite para dois momentos: analisar o que foi feito e planejar o que queremos fazer. Essa idéia da “imagem sem cor” nos remete aos flashbacks de nossa vida, lugar onde lembramos daquilo que fazemos. Já o carro em movimento, como disse, é a vida prosseguindo seu curso. É impressionante a qualidade e a riqueza que os videoclipes da música gospel aqui no Brasil alcançaram ao longo desta década. Quando dizemos que os anos 2000 foram revolucionários, não é apenas por dizer. Em meados dos anos 90 nem se imaginava em produzir algo do tipo.


Mais recentemente, houve um regresso ao uso dos estúdios. Porém, desta vez, encorpamos os efeitos visuais em grande estilo. Vale ressaltar aqui que a indústria cultural gospel aqui no Brasil é uma grande parceira das empresas de design pelo país. Os diretores de arte agradecem! Temos, então, Mariana Valadão com Eu escolho Te louvar. Este clipe foi filmado todo em estúdio e a direção de arte caprichou na produção. É de belíssimo bom gosto os efeitos em volta da cantora enquanto ela escolhe louvar a Deus. Um dos diretores do clipe, Alex Passos, também responsável pela direção artística da Rede Super de Televisão, mostra sua maturidade de experiência em lidar com uma câmera, uma luz e muita adoração. Sem dúvidas, de 2008 pra cá aconteceu uma outra pequena revolução dentro desta gigantesca que engloba esta década. Uma revolução de qualidade. Sobre ela, falaremos semana que vem.

O videoclipe pode nos proporcionar momentos de louvor em que não só os ouvidos, mas também os olhos são agraciados com a criatividade e talento de grandes artistas cristãos. É sempre válido investir nesta forma de comunicação. Primeiramente porque é viral ao extremo. Logo estes vídeos vão pra internet e fazem alegria de todos. Alô, o YouTube e o Twitter são grandes ícones do marketing viral na internet e já fazem parte de nossas vidas (até o Gospel no Divã tem um. Passe lá: twitter.com/gospelnodiva).

Com tantas ferramentas usadas pelos artistas da música gospel a fim de evangelizar, é compreensível que seria difícil administrar tantas formas de comunicação. É por isso mesmo que outra grande revolução aconteceu nesta década de 2000. Os pastores deixaram de ser apenas pastores e passaram a ser administradores, executivos, apresentadores dentro de vários veículos de comunicação. Dentro deste contexto, podemos citar aqui antes de falar nomes, grande canais de TV evangélicos no Brasil: Rede Novo Tempo de Televisão, da Igreja Adventista; temos a RIT TV da Igreja Internacional da Graça de Deus; Rede Super de Televisão, da Igreja Batista da Lagoinha; dentre várias outras. Como grande exemplo a citar temos o Missionário R. R. Soares, que une as funções de presidente da Igreja da Graça, apresentador do programa Show da Fé, diretor executivo da gravadora Graça Music e tudo o que engloba o selo “Graça”. Além de ser pastor. Esta diversidade de funções é necessária. Bem, precisa-se ir onde os perdidos estão para serem alcançados. Durante décadas no Brasil a TV foi o veículo mais utilizado por jovens e pessoas de outras faixas etárias. Então, que se faça um canal de conteúdo cristão para chamar a atenção dos telespectadores. No entanto, para tal iniciativa fazer efeito é preciso de alguém com o direcionamento de Deus por trás. Ser missionário é também aparecer na frente das câmeras com a Bíblia na mão. O alcance de um sinal de TV é sempre maior do que sair com um panfleto pelas ruas. Claro, todas as formas de evangelização são válidas, mas a questão dos pastores-apresentadores tem uma função mais educativa além de simplesmente teológica. E no fim das contas é tudo a mesma coisa. Foi pensado que ao sair da Igreja e ligar a televisão o cristão teria acesso a conteúdos que muitas vezes contradizia aquilo que ele ouviu ao sair da igreja. Não que seja errado assistir um filme ou um programa de TV. Acredito que é até saudável conhecer de tudo e reter o que é bom. Porém, é preciso garantir a existência de uma programação devidamente evangelizadora. André Valadão, agora como presidente da Rede Super é um bom exemplo do novo modelo de ser pastor. Ele, além da função citada é pastor da Lagoinha, líder de louvor de seu ministério solo e é casado com Cassiane Valadão. Ele garante que não é tão difícil ter tantas funções ao mesmo tempo. O que sabemos é que é realmente necessário. As pessoas não estão mais estáticas: vão à Igreja, viajam, acessam a internet e Deus precisa estar também em todos estes lugares. Viva ao novo modelo de pastorear!

Mudando de assunto e voltando a temática do louvor e adoração, logo em seguida ao boom do Diante do Trono, vários outros ministérios de louvor surgiram para nos influenciar em uma nova maneira de cantar e louvar. Destaques para o Ministério Apascentar de Nova Iguaçu. Este traz uma mensagem de um Deus que não nos esquece e sempre nos recompensará. A ideia do Deus bondoso que sempre está disposto a dar presentes foi fortificada nesta década e vivida por várias correntes teológicas. Destaque também para o Ministério Vineyard Music Brasil que com um estilo mais americanizado nos emociona com suas músicas de entrega e intimidade com Deus. Não podemos deixar de citar outros recentes como: Trazendo a Arca, Unção de Deus, Clamor pelas Nações. Cada um ao seu estilo nos ensina a adorar.

Mais que ouvir é ver. Mais que ver o poder de Deus é sentir Sua presença e isso foi fato nestes últimos anos. Semana que vem iremos falar de internet. Fique você sabendo que ela mudou sua vida. As redes sociais serão nosso tema de semana que vem e sua adoção pelos artistas gospel. Iremos falar também sobre as várias gravadoras que surgiram nos últimos anos a fim de agitar o mercado gospel e vamos falar ainda sobre os sites de conteúdo cristão que vivem dando notícias de informações sobre os ministérios que admiramos. O Gospel no Divã é um deles! Não percam!

4 comentários:

  1. WU também concordo que uma imagem vale mais do que 100 palavras. Imagens demonstram instantaneamente o que você quer dizer. Plavaras requerem leitura e muitos pensamentos antes de entendermos o que o texto quer nos dizer.

    ResponderExcluir
  2. QUAL É O SEU GRUPO.
    Há dois grupos de seres humanos. Os membros do primeiro grupo são aqueles que usam o potencial maravilhoso do seu cérebro, potencial este que é inerente a todos os humanos. Estes usam este potencial com criatividade, persistência e Perspicácia, conseguindo com isso, um invejável progresso e uma vida perfeitamente equilibrada. Os membros do segundo grupo são mais tranqüilos, desprezam preguiçosamente o potencial maravilhoso do seu cérebro, são essencialmente acomodados. Estes quando se encontram em dificuldades tanto financeira como com problema de saúde, se dirigem fervorosamente cheios de fé, as entidades supremas em busca de um milagre. Eles não descobriram ainda que milagres são como prêmios de loteria, somente alguns poucos são privilegiados. Também não descobriram ainda que o principal milagre, Deus já o fez, que é ter dado a nós uma privilegiada inteligência.
    Paulo Luiz Mendonça. Autor do livro Crônicas, indagações e teorias. Editora Scortecci.
    http://pauloluizmendonca.judblog.com


    QUAL A NOSSA POSIÇÃO.

    Os seres humanos que usam sua inteligência e criatividade sabem perfeitamente delinear seu próprio destino, baseando no bom senso e na razão. Os demais seguem fanaticamente os ditames da multidão.
    .
    Paulo Luiz Mendonça, Autor do livro, Crônicas, indagações e teorias. Editora Scortecci.
    http://pauloluizmendonca.judblog.com

    ResponderExcluir
  3. JUSTIÇA A TODOS.
    Esta crônica não está de maneira nenhuma se relacionando pejorativamente a nenhuma entidade religiosa
    Ela somente terá a incumbência de abrir nossos olhos para as injustiças cometidas por nós seres humanos, principalmente nós cristãos.
    Em primeiro lugar, falamos de Jesus Cristo, um homem sábio, muito evoluído e audacioso para sua época. Seus feitos foram extraordinários, seus ensinamentos foram sem duvida muito significativo. Suas parábolas trouxeram mudanças profundas na nossa maneira de viver. Segundo relatos, foram feitos por ele centenas de milagres, isso ninguém discute são fatos reais os quais são relatados no novo testamento. Agora vamos fazer um paralelo, uma comparação entre Jesus e outros homens de grande talento que surgiram na terra. Por exemplo, enquanto Jesus fez centenas de milagres salvando pessoas as beiras da morte ou com grandes dificuldades. Alexandre Fleming salvou milhares, e milhares de seres humanos da morte certa com a descoberta da penicilina. Pessoas com infecções sem esperança de cura passaram a serem salvas, e a penicilina abriu caminho para outros antibióticos os quais continuam salvando seres por todo planeta terra. Podemos falar também de Luiz Pasteur, que através de suas pesquisas descobriu a vacina anti-rábica. Através desta descoberta, milhares e milhares de seres foram salvos da morte certa e muito dolorosa. Enquanto Jesus salvou centenas de paralíticos, Sabin descobriu a vacina contra a paralisia infantil, com isso salvou milhares e milhares de crianças a se tornarem paralíticas. Alem destes há também Osvaldo cruz, Vital Brasil, Robert Koch descobridor do bacilo da tuberculose e muitos outros médicos e cientistas pesquisadores os quais dedicaram suas vidas na luta contra as varias doenças que assolavam nosso planeta.
    Há também filósofos, educadores e muitos outros nomes importantes no desenvolvimento intelectual da espécie humana.
    Vamos agora, ao porque de toda essa explanação. Está no fato de o nome de Jesus ser amplamente divulgado, não só divulgado, mas vergonhosamente explorado, e estes outros grandes homens também super importantes, seus nomes caíram completamente no esquecimento.
    É fácil de entender a mídia não se preocupa em divulgar os nomes destes homens, porque esta divulgação não gera lucros e o capitalismo vive de lucros quanto mais lucro melhor.
    Paulo Luiz Mendonça. Autor do livro, Crônicas, indagações e teorias. Editora Scortecci.

    ResponderExcluir
  4. DE JESUS CRISTO AO COMPUTADOR>

    Voltando aos primórdios da era cristã, em uma simples estrebaria, nascia um menino de família muito pobre. Segundo as escrituras do velho testamento Deus iria enviar um messias o qual viria ao mundo com a missão de salvar a humanidade. A história tem muitas vertentes, mas se convencionou apontar este menino o qual recebera o nome de Jesus como sendo o salvador prometido. Depois de mais ou menos trinta anos, este mesmo menino reaparece agora já um homem e da inicio a uma peregrinação pela palestina.
    Jesus um homem muito inteligente, inteligência esta, a qual diferenciava muito das pessoas da época, Jesus tendo o dom da palavra, sendo bastante convincente iniciou arregimentando algumas pessoas para segui-lo, os quais passaram a ser posteriormente chamados de apóstolos. Jesus seguiu por uns anos a arrastar multidões as quais o ouviam atentamente. Suas parábolas mexiam muito com o sentimento do povo, para eles um homem falando em igualdade, em amar o próximo como a ti mesmo, para eles era novidade, pois naquele tempo se praticava a escravidão a qual era uma coisa normal. Ao mesmo tempo as quais suas parábolas agradavam alguns, desagradavam outros e assim começou a polêmica. O movimento relacionado a Jesus começou a se expandir, e o poder dominante da época via aquilo como uma afronta, um risco para eles.
    O poder dominante cometeu um erro levando o messias para o sacrifício acabou o transformando em um mártir, a partir daí o movimento que no inicio era bastante tímido acabou tomando um movimento gigantesco o qual continuou crescendo. O nome de Jesus e suas pregações foram bons, por um lado, mudou bastante o comportamento da humanidade, mas por outro lado abriu caminho para os aproveitadores que passaram a usar seu nome indevidamente. Em seu nome foram cometidas muitas atrocidades principalmente na idade média com a criação da santa inquisição, em seu nome foram proliferando vários seguimentos religiosos, em seu nome houve também muitas lutas e guerras sempre cada um puxando a brasa para sua sardinha. Na verdade transformando seu nome em um produto para ser comercializado.
    Os séculos foram passando, as coisas, acontecendo o progresso foi se expandindo até chegar a nossa era, ou seja, século vinte um, era do radio da televisão e do computador.
    Os aproveitadores os quais no passado não tinham meios de comunicação tão eficientes como hoje, tinham dificuldades de expandir seus negócios, mas hoje a coisa agigantou-se. Com o advento do radio e da televisão a coisa tomou proporções descomunais. A exploração do nome de Jesus está ás beiras da calamidade pública. Os aproveitadores conseguem através do radio e da televisão enganar tão bem os adeptos que não se pode pensar em tentar orientá-los para a compreensão do que é religião ou exploração, a lavagem cerebral é tão bem elaborada que as pessoas ficam completamente cegas.
    Diante desta cegueira não conseguem ver ou raciocinar de uma maneira clara, ficam completamente dominadas sem poder de reação, transformando-se em verdadeiros escravos.
    Com isso, os aproveitadores conseguem montar verdadeiros impérios de poder. Ganham dinheiro com tanta facilidade, chegam até a fazer inveja a muitas multinacionais. O pior de tudo e que no Brasil o qual é o país dos impostos, impostos estes todos exorbitantes, mas para as igrejas não há nenhum imposto a arrecadação e livre, tudo é lucro, sendo assim nem o governo consegue impedir esta espécie de comercio explicito. Pode parecer estranho o estado não se manifestar, mas não é nada estranho é que o governo é conivente porque estes movimentos religiosos transformam o povo em conformados e esperançosos, sendo assim este povo que espera as benesses das igrejas deixam o governo em paz.

    Paulo Luiz Mendonça autor do livro Crônicas, indagações e teorias.
    http://pauloluizmendonca.judblog.com

    ResponderExcluir

Comente, critique, elogie!
Sua opinião é importante para nós
Shalom Adonai



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...